Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

massarebarbativa


Quinta-feira, 12.07.18

Saber quando dizer STOP

A greve dos professores teve como consequência o reconhecimento por parte do Ministério da Educação da necessidade de encetar negociações no que concerne a forma de cálculo do tempo de serviço dos professores depois do descongelamento das progressões na carreira. De acordo com o jornal Público, “a reunião desta quarta-feira terminou sem acordo, mas o Governo mostrou abertura para negociar. Foi nomeada uma comissão bipartida para estudar os impactos financeiros da recuperação do tempo de serviço dos docentes”. Apesar deste parco entendimento, a plataforma sindical, de que fazem parte a Fenprof e a Federação Nacional da Educação (FNE), decidiu suspender o protesto na próxima sexta-feira. No meu entendimento, demonstraram bom senso. No entanto, o  novo Sindicato de Todos os Professores (STOP), que não esteve presente na reunião por não ter sido convocado, decidiu manter o pré-aviso de greve às reuniões de avaliação que se estende até ao final deste mês e prolongar o protesto. No meu entendimento, demonstrou falta de bom senso. Aliás, nada mais seria de esperar do seu principal dirigente, André Pestana, eleito em 2012 para o Conselho Geral do maior sindicato de professores do país (SPGL-FENPROF) de onde saiu desiludido com a falta de abertura à renovação da estrutura. O STOP não pretende assumir nenhum compromisso com o Ministério da Educação. Acusa os outros sindicatos de sectarismo mas o sectário extremista é ele porque o radicalismo ideológico de esquerda é o seu modus operandi.

Por que razão é inconcebível para o STOP que os docentes não prolonguem a greve após a existência de uma abertura negocial e semanas de greve às reuniões? Porque negociar nunca fez parte dos seus objetivos. Num momento de aproximação das partes envolvidas na negociação, o que faz o STOP? Radicaliza a sua pseudo luta até ao final do mês de julho. O seu radicalismo ideológico envolve a manipulação das massas (docentes) insatisfeitas. Não sejamos ingénuos nem nos deixemos instrumentalizar. Se perguntássemos ao dirigente do STOP o que pretende negociar, a resposta seria nada! Uma estrutura sindical incapaz de reconhecer a necessidade do estabelecimento de compromissos para encetar o diálogo, incapaz de ceder e firmar acordos, não pode merecer a minha confiança. É a negação do que deve ser um sindicato responsável. Pretende impor a sua visão radical da sociedade, uma sociedade em que impere a luta, a divisão, o antagonismo e a crispação entre si e os outros. Não é diferente de outros movimentos populistas que infelizmente proliferam pela Europa. É um dirigente de um sindicado populista tal como o BdC é um populista de um clube de futebol! É evidente que o surgimento destes movimentos tem uma causa. No caso dos sindicatos da educação, a sua incapacidade para entender os anseios, preocupações e pretensões dos docentes, bem como a sua sujeição ao timing político imposto pelas direções dos partidos dos quais são próximos.

Em setembro nada está garantido mas prefiro apostar na negociação, no diálogo e na possibilidade do estabelecimento de compromissos entre ambas as partes. Posso estar enganado! Mas para mim é o posicionamento correto para quem prefere viver numa democracia do que na República Popular Democrática da Coreia. Como democrata, sou contra o radicalismo, o extremismo e o sectarismo. Para o dirigente do STOP, a luta foi histórica e a única coisa que o Ministério da Educação teve para apresentar foi uma mão cheia de nada. Mas, no dia 31 de julho, quem terá uma mão cheia de nada será ele. E terá sempre uma mão cheia de nada. É do nada que se alimenta o seu radicalismo.

Quando a luta legítima e justa de todos é substituída pela luta de poucos, esta tem como única consequência o prejuízo ostensivo e imoral dos outros. Quando isto acontece, talvez seja altura de dizer STOP!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Pagliacci às 23:25

Quinta-feira, 05.07.18

O Jato do IP3

Jato.jpg

O jato do IP3 não é nenhum jato privado que transporte comodamente celebridades do mundo do desporto ou da música ou outras gentes afortunadas. O jato do IP3 é o meu carro que, diariamente, rola e não voa, entre Coimbra e Tábua. Parece que voa de tanto rolar. Rola há cerca de oito anos. O jato do IP3 não é um veículo comercial de um representante comercial de uma qualquer empresa. O jato do IP3 é o veículo de um … professor! Professor com vinte anos de carreira, mas que ainda se encontra no… 2.º escalão. Sim, o 2.º escalão é aquele a seguir ao 1.º escalão, ou seja aquele para o qual se ingressa quando se entra na carreira docente. Isto das progressões automáticas é fenomenal! Contas redondas, ganho mais 1,26 euros à hora (ilíquidos), 6,37 euros por dia (ilíquidos), i.e., cerca de 79 euros mais do que um professor que ingresse neste momento na carreira docente. Compro o livro «Cebola Crua com Sal e Broa» de Miguel Sousa Tavares em wook.pt. 10% de desconto imediato, portes grátis e atesto o jato do IP3. Mas para o Ministério da Educação eu e o meu jato do IP3 não voaram nem rolaram, simplesmente sofreram um apagão. É como recordar o anúncio ao Citroën Dyane mas modificado para “progressão na carreira mal precisam” e “aumentos nem pensar”. Porque gasolina e oficina é para esquecer! Os cerca de 120 km diários dos últimos anos letivos não existiram. Eu e o meu jato do IP3 não fizemos o IP3 com lençóis de água nas bermas ou junto dos separadores centrais, devido às chuvas torrenciais que obrigavam a circular com precauções extremas, não assistimos a acidentes ou estivemos retidos em filas de trânsito, ou ainda sofremos desvios por estradas secundárias devido aos periódicos trabalhos de limpeza das zonas envolventes, bem como aos ocasionais trabalhos de manutenção, não circulámos numa só faixa por motivo de desabamento de terras e rochas das encostas, nem respirei o ar insuportável ou me comovi com o negrume da terra e das árvores e o sofrimento dos meus alunos aquando dos incêndios. Mas daqui a três ou quatro anos, eu e o meu jato obsoleto do IP3 vamos poder circular num IP3 requalificado com perfil de autoestrada e Wi-Fi e 5G. Uma obra com o investimento de 134 milhões de euros, anunciou o primeiro-ministro. De facto, durante muitos anos o IP3 sofreu um apagão. Um apagão provocado pelo esquecimento dos sucessivos governos, o que implicou elevados custos económicos e sociais para a região centro, bem como insubstituíveis vidas humanas. Mas ao declarar que ao fazer obra no IP3 está a decidir não fazer evolução nas carreiras ou vencimentos está a cometer um erro político grave. Obras e vencimentos são despesas de natureza diferente. Não devia apresentar como argumento uma falácia. Além disso, esta afirmação coloca em causa a convocatória, por parte do Ministério da Educação, para uma reunião negocial, como prova da boa-fé negocial do governo, a 11 de julho. Porque convocar uma reunião negocial como prova de boa-fé quando decidiu assumir publicamente não fazer evolução nas carreiras? As progressões na carreira docente ou em qualquer outra carreira da função pública são uma questão de justiça. Decidiu investir no IP3, fez bem, mas decidiu desinvestir nas pessoas e nos que trabalham, fez mal. Substituir um apagão por outro não é solução. Vrrrrom!

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Pagliacci às 17:51

Sábado, 31.03.18

Brincar com o fogo!

image.jpeg

Enquanto vários países expulsam diplomatas russos, Portugal opta por expulsar as equipas de técnicos russos dos kamov.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Pagliacci às 10:09

Quinta-feira, 16.11.17

Happy Birthday - 5 anos!

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Pagliacci às 15:14

Quarta-feira, 15.11.17

Cartoon - Proibido comer e beber no Panteão Nacional

image.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Pagliacci às 21:09

Domingo, 20.08.17

Australiano ou austríaco?

Screenshot_2017-08-20-09-11-43.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Pagliacci às 09:23

Quinta-feira, 13.07.17

País irmão!

image.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Pagliacci às 19:44

Quarta-feira, 12.07.17

Era uma vez … um menino chamado Kurdi

Era hora da Maria ouvir mais uma história contada pelo pai. O pai da Maria pegou num livro de capa colorida e começou a ler:

- Era uma vez …

- Oh pai outra história começada por “era uma vez”!

- Não gostas destas histórias?

- Gosto, mas quero ser eu a contar uma história, pai.

- Que história, Maria?

- Uma história para não esqueceres nunca, pai.

- Podemos tentar! Queres começar Maria?

- Sim!

- Havia um menino que vivia num sítio muito pobre onde os homens faziam a guerra todos os dias. A guerra já existia antes do menino ter nascido. Por causa dela o menino era muito pequeno e ainda não sabia ler nem escrever. O pai dele, também, lhe contava histórias sobre como era o sítio onde eles viviam antes de haver guerra. Era um sítio com casa pintadas de cores vivas, passeios com pessoas, estradas com carros e jardins floridos e com relva onde os meninos podiam brincar. Hoje, as casas não tinham paredes nem janelas e os meninos viviam nas suas caves, escondidos dos homens que fazem a guerra. As pessoas e os carros já não andavam pelas ruas porque estas estavam cheias de buracos e lixo. As flores dos jardins já não existiam, estavam todas mortas e no lugar da relva havia só terra.

Nesse sítio os adultos e as crianças eram muito magrinhos porque não havia comida para comer todos os dias.

O menino estava sempre à espera que a guerra dos homens acabasse para poder crescer, ser grande, aprender a ler e a escrever e brincar com os amigos num sítio colorido e alegre.

Um dia, o menino, o pai e a mãe conseguiram fugir para longe da guerra e dos homens que faziam a guerra. Fizeram uma viagem muito grande para procurar, novamente, casas coloridas, pessoas nos passeios, carros nas estradas e jardins com relva e flores de todas as cores, mas o menino só encontrou um mar sem fim que o levou para sempre para longe do pai e da mãe. Já contei a história, pai. Porque estás triste?

- Porque é uma história muito triste.

- O menino da tua história tem nome, Maria?

- Sim pai, o nome do menino era Kurdi.

- Porque inventaste esta história tão triste, Maria?

- Não inventei, vejo e oiço na televisão, todos os dias, quando jantamos e tenho de estar calada para veres e ouvires as notícias, pai. Pai, não me digas que não te lembras o que aconteceu ao menino chamado Kurdi? Esqueceste?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Pagliacci às 22:03

Quarta-feira, 12.07.17

O Mundo dos Livros

A Maria é uma menina muito curiosa e que faz muitas perguntas. Perguntas com imaginação!

Um dia perguntou ao pai para onde iam as histórias dos livros quando estes se encontravam fechados.

O pai fez uma cara de espanto. Aliás, não era a primeira vez que a Maria surpreendia o pai com perguntas estranhas. Numa outra ocasião, ao ver uns peixes dentro de água, tinha perguntado ao pai se os peixes festejavam o seu aniversário, como as pessoas. Se havia uma festa, com prendas, doces, bolo de aniversário e velas.

O pai da Maria, apesar de já ter lido alguns livros, nunca tinha pensado no que aconteceria aos personagens dos livros que lia quando os fechava. Seria que as aventuras continuavam até ao fim e depois voltavam a começar?! Ou seria que as personagens adormeciam e só voltavam a acordar quando o pai abriria novamente o livro? Pergunta difícil pensou o pai da Maria!

Como a Maria tinha começado a ler pequenas histórias há pouco tempo, o pai perguntou-lhe o que ela pensava que acontecia às personagens das suas histórias.

A Maria respondeu que achava que as personagens saiam dos livros para viver numa terra onde viveriam todas as personagens de todos os livros que existem ou que já existiram. Nessa terra as personagens poderiam contar umas às outras as suas histórias.

O pai achou a ideia da Maria muito engraçada. Pensou que seria maravilhoso viver num mundo em que a gaivota e o gato que a ensinou a voar poderiam contar a sua história ao Dom Quixote de la Mancha e Sancho Pança e vice-versa. Tantas histórias e personagens juntos no mesmo sítio!

De seguida a Maria disse ao pai que nessa terra todas as personagens estariam sempre muito contentes porque poderiam passar a vida a ouvir e a contar histórias. O pai disse-lhe que seria como ter um mundo dentro de outro.

A Maria queria fazer parte desse mundo. Estava ansiosa por ler muitas histórias para poder conhecer todas as personagens de todos os livros. Queria aprender a juntar cada vez mais letras para ler mais palavras e viajar para o mundo que existe dentro de outro.

O pai disse à Maria que esse mundo era o mundo dos livros.

Neste mundo a Maria nunca estaria sozinha. Teria sempre a companhia de outros meninos e meninas que fazem parte das histórias.

A hora de ir para a cama tinha chegado. Com o sono chegam os sonhos. Finalmente os peixes teriam a sua festa de aniversário… com prendas, doces, bolo de aniversário e velas para soprar debaixo de água!

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Pagliacci às 21:56

Sábado, 10.06.17

Chefes de gabinete de Theresa May demitem-se!

image.jpeg

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Pagliacci às 22:56


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Julho 2018

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031


Links

Literatura

Cultura

Astronomia